Em entrevista concedida ontem (12) ao programa “Sergipe Em Destaque” na rádio Aparecida AM, o recém-reeleito presidente da Câmara Municipal de Lagarto assegurou ao radialista Aclécio Prata que não teria nenhuma resistência em abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os gastos com a Covid-19 dentro do município de Lagarto.

O assunto já é uma cobrança de parlamentares da Casa desde a legislatura anterior. Em meados de outubro do ano passado, a Câmara de Vereadores chegou a convocar a presença da então Secretária de Saúde do município, Polyana Ribeiro, irmã do deputado Gustinho Ribeiro e cunhada da prefeita, para prestar esclarecimento sobre os gastos dos recursos destinados para o combate ao novo coronavírus em Lagarto, mas a secretária não  compareceu, informando que todas as informações estariam disponíveis no Portal da Transparência; mais de 9 milhões de reais foram revertidos para Lagarto atuar contra à Covid-19 na época. 

Antes, em julho de 2020, o Ministério Público Federal (MPF) abriu procedimento extrajudicial para apurar indícios de desvio em aplicativo de R$175 mil prometido pela Prefeitura. Este ano, parte da oposição na Câmara tem feito cobranças pela transparência sobre a utilização dos recursos para à Covid-19 no município, que este ano já recebeu mais 65 mil para as atividades de combate à pandemia, mas nenhuma ação concreta foi adotada, se resumindo apenas às críticas na tribuna e em programas de rádio locais. 

O tema reaqueceu atualmente após o início do andamento de abertura da CPI para apurar a condução da pandemia pelo governo Bolsonaro, e logo após o presidente contra-atacar conclamando para a necessidade de se investigar a conduta de estados e municípios perante os gastos no enfrentamento à Covid-19, ou seja, que fosse investigado como foram usados pelos governadores e prefeitos os recursos enviados pelo Governo Federal para o combate ao coronavírus, o que se acostumou a chamar de “Covidão”.