Há duas semanas, o Cadastro Geral de Empregos (CAGED), do Ministério da Economia, divulgou os resultados da empregabilidade brasileira referente ao primeiro mês de 2021. Lagarto encerrou janeiro com alta de 43,5% no saldo de postos de trabalho formais; melhor acumulado desde setembro. O Papa-Jaca exibiu os números com exclusividade.

Já nesta semana, o CAGED tornou público os dados de fevereiro. Tendo em vista o impacto das medidas sanitárias publicadas e atualizadas ao longo de março, um cenário positivo pelo segundo mês poderia representar uma sinalização de que economia estaria com um fôlego maior para atravessar o período de restrições.

Pelo menos a nível nacional, o saldo do último mês contabilizado pelo Cadastro fechou positivo, com a assinatura de 401 mil carteiras de trabalho. No município, porém, o resultado foi de 2 empregos a menos, após a indústria papa-jaca acentuar a queda iniciada em janeiro, quando setor registrou o fechamento de 22 vagas – sendo 63 desligamentos, mas apenas 41 substituições executadas.

Agora, foram 146 demissões contra 57 admissões. Saldo final do setor da transformação em fevereiro na cidade foi de 89 empregos perdidos. Somado a janeiro, indústria atinge a marca de 111 postos de trabalho esvaziados. Resultado empurrou município para o saldo negativo, uma vez que todos os demais setores foram positivos – comércio (+54), construção (+20), serviços (+8) e agropecuária (+5).

Embora não seja uma tendência nacional, já que a indústria abriu mais de 90 mil empregos este mês, queda do setor no município acompanha os índices do estado. Conforme verificado pelo O Papa-Jaca, Sergipe demitiu 601 trabalhadores da indústria no último mês contabilizado, após ter perdido outros 229 no período anterior.

Confira os resultados de cada setor em Lagarto: