Na véspera do final do prazo para registro de candidaturas, o MDB Lagarto resolveu trocar Sérgio Reis por seu irmão, o deputado federal Fábio, após uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) tornar o então pré-candidato inelegível em virtude de uma condenação envolvendo irregularidades milionárias no Hospital Nossa Sr.ª da Conceição (HNSC), em 2009.

O Papa-Jaca revelou no mesmo dia que a decisão do STJ Sérgio Kukina havia sido proferida um dia antes da convenção que definiu Reis o candidato de fato. Semanas se passaram e, às pressas, a coligação viu em Fábio – que já havia tido seu nome incluído em pesquisas recentes de opinião – o melhor substituto para Sérgio e a troca foi feita.

Ministro Sérgio Kukina, que suspendeu a elegibilidade de Sérgio Reis. Foto: Reprodução

Ocorre que a partir de 4 de julho passam a ser vedadas algumas condutas por parte de agentes públicos, como a realização de nomeações, exonerações e contratações, assim como transferências de recursos e inaugurações de obras públicas, sobretudo as de grande porte.

Porém, como Fábio não era mais postulante ao cargo de prefeito, o mesmo rodou o município inaugurando obras, ao passo em que projetava o nome do irmão junto ao seu. Ainda em maio, O Papa-Jaca previu que a inauguração do Estádio Paulo Barreto – prometido durante as eleições de 2016 e que teve obra iniciada durante o pleito de 2018 – se sucederia em data próxima a mais uma eleição.

O campo de futebol findou sendo inaugurado em 7 de agosto e Fábio foi destaque. Nas fotos e vídeos, ele aparece segurando o microfone, sendo citado como responsável por correligionários e aplaudido por aliados. Os materiais, publicados em seus perfil e no do irmão, aparecem com comentários de blogueiros, supostamente ligados a um esquema de compra de votos e propaganda eleitoral antecipada por meio de engajamento, com procedimento já aberto pelo Ministério Público.

No último dia 9, uma nova representação foi enviada pelo MP Federal à Promotoria Eleitoral da 12ª Zona, responsável por Lagarto, “para que sejam adotadas as providências que entender pertinentes”, afirma o documento assinado por Heitor Alves Soares, Procurador Regional Eleitoral. O Papa-Jaca apurou que mais de 30 imagens, além de prints de conversas, estão anexadas à representação e elencam uma série de outras inaugurações realizadas pelo parlamentar em prazo inadequado e com intenso trabalho de marketing nas redes.

Relembre:

Ver essa foto no Instagram

FAZER DIFERENTE 💰 @opapajaca teve acesso com exclusividade a diversos prints que foram encaminhados ao Ministério Público Federal (MPF) e que demonstram a existência de um suposto esquema de compra de votos e propaganda eleitoral antecipada em Lagarto. Num dos diversos diálogos registrados, aparece o de uma suposta assessora do pré-candidato a prefeito Sérgio Reis (MDB) com uma blogueira da cidade. A oferta de “trabalho” envolve cumprimento de horários, interação com o perfil do político – que já identifica seu número (15) e críticas a adversários. Os valores seriam proporcionais à quantidade de seguidores no perfil, sendo a quantia inicial de em média R$200. #investigação #eleicoes2020 #inflencer #opj

Uma publicação compartilhada por O Papa-Jaca (@opapajaca) em