“Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire a pedra”, escreveu o Apóstolo João ao citar a fala de Cristo. Na verdade, não me interessa nem mesmo se houve de fato o furto de energia por parte de Jeronimo Reis Neto, filho de Sérgio. Me interessaria, apenas, se Sérgio ou qualquer outro político de carreira tivesse praticado o delito.

É um erro atacar o filho para atingir, eleitoralmente, o pai. Primeiro porque o genitor em questão já possui um histórico manchado por si só e, segundo, porque o comportamento moralista em questão abre precedente para um debate chulo de trocas violentas de acusações vazias.

Meus textos opinativos costumam ser mais largos, mas não é preciso muitas palavras para explicar que todas as pessoas no mundo erram. A diferença é que, no Estado Democrático de Direito, devem satisfação pelo que fazem ou deixam fazer apenas os trabalhadores do povo, eleitos para exercerem suas funções com honestidade e transparência.