Utilizando o modelo de crescimento de Richards (Richards 1959, Wang 2012 e Vasconcelos 2020), que é uma variação do modelo logístico padrão para estudo de crescimento populacional, a UFS realizou uma pesquisa em parceria com a Universidade Federal Fronteira do Sul (UFFS) em que estima o quadro epidemiológico do SARS-CoV2 em Sergipe para os próximos 15 e 30 dias.

O Papa-Jaca verificou que o platô observado no estado é parecido ao de Lagarto. A redução prevista em Sergipe pelo estudo é ainda menor que a registrada na cidade ao longo das duas últimas quinzenas. Dessa forma, a previsão para os próximos períodos é otimista diante dos dados disponíveis. No entanto, é inegável que as cerca de 400 mortes previstas para os próximos 30 dias mostram que a situação ainda é grave e exige cuidados.

No município, conforme apurado pela nossa equipe, chegou a 19 o acumulado de óbitos entre os dias 15 e 30 de julho. No período seguinte – até o último sábado – esse número foi de 13, um quantitativo 31,5% inferior, porém, o boletim epidemiológico da SMS não é atualizado desde o dia 13.

O Papa-Jaca consultou dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde. Segundo a plataforma, até o domingo (16) as mortes em Lagarto em virtude da covid-19 foram 67. Ou seja, com 18 vítimas computadas este mês, a diferença entre os dois últimos períodos seria de apenas uma morte.

Já o quantitativo de casos confirmados apresentou uma queda acentuada e que também foi notada a nível estadual pelos pesquisadores. Enquanto na última quinzena de julho o crescimento representou uma aceleração de 79,8%, no período recém-encerrado essa taxa foi de 28,7% – isto é, uma desaceleração de 63,9%. Para construir os números, O Papa-Jaca também utilizou dados do MS, que apontam 2.286 casos confirmados atualmente – diferente dos 2.210 da Prefeitura.

Quanto à situação específica dos casos graves e evolução das mortes em Sergipe, segundo o estudo, apesar da queda do número de casos, os pacientes com o vírus não estão mais procurando os ambulatórios de síndromes gripais, optando pela agravamento em casa, menosprezando a gravidade dos sintomas respiratórios, o que exige a necessidade urgente de cuidados intensivos, sobrecarregando os leitos e, consequentemente, elevando ou mantendo o platô de óbitos.

Com as projeções de número de casos acumulados para os próximos dias foi estimada a demanda de internação hospitalar e de leitos de UTI nas próximas semanas. Em Lagarto, hoje, a taxa de ocupação no Hospital Universitário (HUL) e no Hospital N. Sr.ª da Conceição (HNSC) são, respectivamente, de apenas 36,7% e 30%.

Projeção 15 dias (29/08)

  • Casos acumulados: 80.398
  • Internações: 324
  • Demanda UTI: 150
  • Óbitos: 1.995

Projeção 30 dias (13/09)

  • Casos acumulados: 88.392
  • Internações: 218
  • Demanda UTI: 101
  • Óbitos: 2.193