A saída de Ana Carolina Machado Jorge da Delegacia de Apoio a Grupos Vulneráveis (DAGV), se dá em decorrência da lotação dos novos delegados da Polícia Civil em cidades do interior, depois de um período de estágio supervisionado. A delegada desempenhou um importante trabalho no comando do Departamento em Lagarto.

Em sua gestão, foi uma das idealizadoras do Grupo de Autores de Violência Doméstica (Gasvid) ao lado da professora Dr. Sandra Aiache Menta, da Universidade Federal de Sergipe; a iniciativa consiste em encaminhar homens denunciados de violência doméstica através da Lei Maria da Penha, para um grupo de conscientização e orientação comportamental. Esse trabalho foi feito em parceria com a UFS e a Prefeitura Municipal de Lagarto, e conforme a Delegada, gerou resultados.

“Após dois anos e quatro meses, entrego o DAGV Lagarto com um saldo positivo de ausência de feminicídio consumado no município, o que demonstra que as prioridades elegidas e o protagonismo da mulher quanto à aplicação da Lei Maria da Penha surtiram os resultados esperados. Agradeço por fim a parceria com UFS Lagarto, através do curso de Terapia Ocupacional, e a Prefeitura, através do Creas Araceli e da Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres. O trabalho em parceria certamente rende bons frutos”, destacou Machado.

Ana Carolina Machado assumirá a 3ª delegacia metropolitana com a Coordenação Geral do Acorde, que trata de mediação de conflitos e promoção da cultura de paz. A organização é uma política pública da Polícia Civil do Estado de Sergipe, que segundo a delegada “fomenta o diálogo entre as partes e consequentemente a autonomia e empoderamento das partes envolvidas, as quais, com a ajuda de um policial mediador, encontram a solução de seus problemas e o acordo produzido vai para a homologação judicial, ou seja, tem força de uma sentença”. 

Lotação dos novos delegados nas delegacias do interior de Sergipe

Na semana passada, os novos delegados da Polícia Civil foram lotados em 16 unidades. De acordo com Coordenador da Polícia Civil do Interior (COPCI), o delegado Jonathas Evangelista, as lotações atenderam à necessidade da localidade e o perfil do profissional.

“Buscamos atender à demanda da gestão, o desejo do profissional e também utilizamos a classificação no concurso por merecimento. Assim, tentamos satisfazer a todos os lados”, explicou.

Segundo Jonathas, algumas cidades ainda ficaram sem delegado titular, de modo que algumas regiões do estado precisam de um número maior de profissionais para atender à demanda; 11 delegados assumiram postos desta vez, e para ampliar o número de vagas é preciso que a Assembleia Legislativa aprove uma nova lei.

O estágio supervisionado foi implementado por Jonathas quando assumiu a COPCI pela segunda vez, em 2017. Segundo ele, o modelo ajuda a traçar um perfil dos profissionais e amplia a familiaridade do novo profissional e sua função. Esta etapa foi realizada no último concurso de agentes e escrivães e repetida com os novos delegados este ano.

“Os resultados do estágio supervisionado têm sido positivos. Os novos delegados passaram por algumas delegacias e, assim, conheceram funcionamentos e gestões diferentes. Do mesmo modo que eu e os delegados que trabalharam com eles, pudemos conhecer o perfil de cada um, ajudando a perceber em qual lotação se encaixariam melhor”, esclareceu.

Em Lagarto, foram lotados os delegados Alisson Lial e Matheus Vieira, e quem vai assumir a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) será a nova delegada Lorena Rocha.