A redação do O Papa-Jaca recebeu diversas reclamações de pacientes que têm buscado fazer os testes para a Covid-19 na Clínica de Saúde da Família José Antônio Maroto. As reclamações são de que mesmo apresentando sintomas da doença, e cumprindo os requisitos para a realização das testagens, muitos cidadãos não estão sendo liberados para fazer o teste na unidade.

O Maroto, que passou a ser Unidade de Referência para Doenças Respiratórias Agudas, está responsável pela realização dos testes rápidos para a Covid-19. Este processo exige que o paciente tenha passado do 7º dia com sintomas, de modo que a realização antes deste período pode registrar um falso negativo para a doença. Apesar disso, os relatos são de que, ainda que apresentando sintomas a pelo menos 15 dias, algumas pessoas teriam sido privadas do procedimento de exame. 

Segundo a Diretora de Atenção Básica de Saúde de Lagarto, Daniela Silva, “o teste rápido realizado no município, utiliza a metodologia de imunocromatografia (identificação de anticorpos) e assim como todo teste sorológico, faz-se necessário aguardar um tempo para que o sistema imunológico possa produzir anticorpos em quantidade suficiente para ser detectado pelo teste”.

A diretora disse ainda que: “geralmente o organismo começa a produzir anticorpos para a Covid-19 após o 7º  dia do início dos sintomas, sendo assim, é importante que o teste seja realizado após esse período, havendo a possibilidade de apresentar um resultado falso negativo fora dessa janela. Até o próprio RT-PCR que é realizado através da coleta de swab nasofaríngeo, e detecta o vírus no corpo, precisa ser realizado entre o 3º e o 5º  dia do início dos sintomas. Este último, no Estado de Sergipe, está sendo realizado nas unidades sentinelas que são definidas pelo governo estadual”.

Em abril, a Prefeitura Municipal de Lagarto anunciou o empenho de R$ 175 mil para a compra de um aplicativo que seria utilizado na identificação dos sintomas do novo coronavírus nos lagartenses. A ferramenta “Coronavírus Lagarto” seria disponibilizada para que os lagartenses fizessem uma auto-avaliação dentro de suas casas, mas até então não há registros de funcionamento do sistema.

O sistema passaria orientações de acordo com os sintomas de saúde relatados.

Não foi informado o motivo pelo qual os pacientes que teriam apresentado sintomas por 15 dias não conseguiram fazer os testes.