Desde que a In Loco apresentou seu primeiro número referente ao nível de isolamento social (IS) em Lagarto, que havia atingido 49,1% – um dos piores índices de Sergipe e bem abaixo dos 70%, recomendado pela OMS -, O Papa-Jaca veio fazendo alertas quanto a importância da quarentena em massa.

Na véspera do feriado de Páscoa, na sexta-feira (11) nossa equipe conseguiu um dado atualizado: IS lagartense havia caído para 44,1%. Com novos alertas e a aproximação da data do pico da pandemia no Brasil, estimado para maio pelo Ministério da Saúde, esperava-se que esse número voltasse a subir, ainda que timidamente. No entanto, na última quinta-feira (16), o primeiro caso do novo coronavírus foi confirmado no município e, mesmo assim, o número de cidadãos em casa voltou a cair.

Em nova planilha, enviada ao O Papa-Jaca após resultado do teste realizado pelo Hospital Universitário, Lagarto está com o menor isolamento desde o dia 1º de abril: 41,7%. Naquela data, a cidade havia computado 39,9% de IS. Já esta semana também apresentou a menor média semanal: 44,1% – queda se dá já que nenhum dos últimos seis dias computou mais de 50% de isolamento, algo inédito desde a decretação da calamidade pelo Governo do Estado.

Com porcentagens tão baixas, a partir do primeiro caso é muito fácil que a transmissão passe de local para comunitária – quando as autoridades de Saúde não são mais capazes de determinar as origens das infecções. Ainda que o caso do caminhoneiro recém-chegado do Ceará tenha sido controlado, não é possível, em meio a uma pandemia, que se consiga ter controle absoluto da realidade. Por este motivo, em editorial publicado nesta sexta-feira (17), O Papa-Jaca passou a fazer a defesa de que a Prefeitura adote as chamadas ‘barreiras sanitárias’ nas principais vias do município, trancando totalmente apenas aquelas que possam servir de fuga à fiscalização.

Ver essa foto no Instagram

BARREIRAS SANITÁRIAS: O QUE VOCÊ PENSA? | @opapajaca acaba de publicar um texto de opinião defendendo a implantação das barreiras sanitárias em Lagarto após a confirmação do primeiro caso da covid-19 no município. O artigo, com dados e comparativos, alerta ao fato de que “ainda que a família [do caminhoneiro que chegou do Ceará] tenha cumprido o protocolo das autoridades de Saúde, isso não pode depender da vontade dos indivíduos – o poder público precisa intervir”. Medir a temperatura e avaliar sintomas de quem entra na cidade é o mínimo que se pode fazer. Não é uma medida cara e muito menos distante da nossa realidade. Poço Verde, por exemplo, já aderiu à política de fiscalização nas entradas do município – trancando apenas os acessos que possam servir para burlá-la. Com isolamento de meros 44,1%, Lagarto não pode se dar ao luxo de cumprir o papel da Grécia na estória do Cavalo de Tróia. É preciso ação para não se tornar o novo epicentro do vírus no estado. Para ler o conteúdo completo, acesse o site (@opapajaca). #BarreirasSanitárias #Lagarto #Covid19 #OPJ

Uma publicação compartilhada por O Papa-Jaca (@opapajaca) em