Como informado pelo O Papa-Jaca em outubro passado, após uma reunião com o presidente estadual do Partido dos Trabalhadores (PT), deputado federal João Daniel, o diretório municipal havia fechado questão sobre a construção de uma candidatura própria em Lagarto. De lá pra cá, dois nomes se colocaram como viáveis – o do Prof.º Me. Benizário Júnior, ligado ao SINTESE, e o de Flamarion Déda, líder do MST na região.

“O PT Lagarto será resistência a toda e qualquer forma de autoritarismo.”

Ainda em março, ficou definido que um dos dois nomes representaria o PT em outubro e a decisão seria tomada a partir de uma convenção do diretório, obviamente, incluindo o voto da base do partido – como tece o estatuto da sigla quanto à escolha de candidatos. Ocorre que com o prazo final para filiação partidária neste sábado (4), apareceu entre a lista de petistas lagartenses o nome da esposa do prefeito cassado Valmir Monteiro, Andresa Nascimento.

Antes, quando circulou internamente que Andresa pretendia se filiar ao partido para concorrer ao cargo de vereadora, a ideia foi imediatamente rechaçada – pois a ideia seria, “se o PT eleger um vereador, que seja alguém que tenha participado das ações, manifestações, construções e decisões – vivido as trincheiras de luta junto conosco”, diz um petista ao O Papa-Jaca.

Todavia, para além de uma candidatura à Câmara, Nascimento viria ao partido para ser vice de Ibrain na busca pela volta dos Monteiros à Prefeitura. Fato enterraria não apenas a possibilidade de uma candidatura autônoma, mas a construção de um vice essencialmente petista. Imediatamente a base partidária se rebelou contra as escolhas feitas pela cúpula estadual, com apoio central do senador Rogério Carvalho – que possui uma dívida eleitoral com Valmir após apoio em 2018.

Em grupos de WhatsApp, diversos membros anunciaram desfiliação e criticaram a postura do Diretório Estadual. Entre as críticas que mais destoaram foi a do então pré-candidato Benizário. No grupo interno, o professor escreveu um recado à esposa de Rogério, a jornalista Candisse Matos, com a finalidade de que esta transmitisse ao senador. “O PT Lagarto será resistência a toda e qualquer forma de autoritarismo”, afirma em uma parte do texto que repercutiu.

Leia na íntregra:

“Como acredito que o próprio Rogério não observe minha mensagem espero que você passe esse recado a ele. Nós militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) de Lagarto não permitiremos a destruição do partido em troca de um projeto individual de poder do senador Rogério Carvalho.

O PT Lagarto será resistência a toda e qualquer forma de autoritarismo que venha a colocar em risco o partido e nossa estratégia estatutária de uma sociedade baseada na democracia, solidariedade, fraternidade e igualdade. O Partido dos Trabalhadores é para os trabalhadores e seguiremos em frente construindo nosso partido, sobretudo, respeitando as diferenças e as decisões coletivas.”

Além de professor concursado da rede pública estadual, Benizário é mestre pela UFS e especialista em gestão e educação ambiental; pode vir a ser o primeiro prefeiturável negro de Lagarto. FOTO: Reprodução/Instagram