Nas várias últimas eleições, o Partido dos Trabalhadores (PT) se recolheu de disputar o Poder, mesmo tendo ligação direta com obras lagartenses realizadas nos Governos de Marcelo Déda e Dilma Rousseff – Mercado Municipal, reforma do Balneário Bica, Universidade Federal, Hospital Universitário, Centro Especializado em Reabilitação (CER III) etc.

Como informado pelo O Papa-Jaca em outubro último, o partido em Lagarto definiu que iria correr atrás de um nome para representá-lo uma candidatura própria nas eleições municipais de 2020, após reunião com o deputado federal e presidente estadual da legenda João Daniel.

Até agora, durante as reuniões, dois nomes polarizam a disputa das prévias: o professor Benizário Júnior e o líder sem-terra Flamarion Déda. Eles já haviam disputado a liderança do Diretório Municipal. A candidatura da legenda significaria um racha direto do diretório com o agrupamento de Valmir Monteiro (PSC), preso preventivamente em fevereiro de 2019 e cassado após um de seus processos tramitar em julgado no STF – o ex-prefeito faz também parte de um dos partidos vetados pela Nacional do PT no quesito alianças.

Quem são eles?

Flamarion é parente direto do ex-governador simãodiense Marcelo Déda, vítima de um câncer. Iniciou sua militância ainda jovem, tendo se tornado uma das principais referências do Movimento Sem-Terra (MST) em Sergipe e sendo também um dos fundadores do PT em Simão Dias e Lagarto – na década de 80.

Já Benizário é um professor da rede pública municipal e estadual, especialista em gestão e educação ambiental. Ele possui ainda um mestrado em Geografia. Toda sua formação foi feita pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Em 2011, foi um dos aprovados no concurso do Município, tendo entrado na militância docente justamente após exoneração coletiva por parte do ex-prefeito Lila Fraga (PSDB). Atualmente ele é diretor do SINTESE e único negro entre os prefeituráveis da cidade.