No último final de semana, a Prefeitura de Lagarto foi cobrada nas redes a anunciar políticas públicas voltadas ao público em situação de rua. O Papa-Jaca chegou a publicar um extenso material com dados inéditos sobre o assunto, reforçando a cobrança de internautas por conta da pandemia.

Conforme o institucional da Administração Municipal, já na segunda-feira (23), equipes da Secretaria de Desenvolvimento Social e Trabalho (SEDEST) foram às ruas para identificar e contabilizar a parcela vulnerável da população em situação de exposição justamente em meio ao decreto de calamidade pública.

O anúncio informava que apenas dois lagartenses estavam, de fato, morando nas ruas, além de que nenhuma medida havia sido anunciada. Na noite desta terça-feira (24), porém, um pronunciamento do atual SEDEST, Valdiosmar Vieira, pontuava que uma parceria com a Fazenda Esperança havia sido firmada para receber eventuais desalentados em Lagarto e detalhava as ações da secretaria ao público específico.

Assista

Crianças sem aula

Outra cobrança levantada é que, sem aula, uma parcela considerável de crianças também vulneráveis está sem a merenda – considerada uma das poucas refeições diárias de muitos estudantes entre 6 e 15 anos da rede pública municipal. Até o momento nenhuma política foi anunciada neste sentido.

Conforme apurado pelo O Papa-Jaca, o tamanho total de crianças na extrema-pobreza corresponde de 1/5 a 1/6 da população infantil lagartense, a partir de dados do extinto Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Ver essa foto no Instagram

Mais medidas para prevenção ao Coronavírus.

Uma publicação compartilhada por Prefeitura de Lagarto (@prefeituradelagarto) em