O Senado aprovou nesta sexta-feira, 20, o decreto de calamidade pública que o Poder Executivo elaborou para combater a disseminação do coronavírus no país. A sessão foi realizada por videoconferência, uma medida inédita na história do Congresso Nacional. A votação remota foi a opção encontrada após três senadores terem contraído a Covid-19, incluindo o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que ficará afastado das funções por ao menos 14 dias. Coube a Antonio Anastasia (PSD-MG) presidir a sessão desta manhã.

“Com a negativa, agora, seu exame será submetido à contraprova.”

Além de Alcolumbre, tiveram diagnóstico positivo para o coronavírus o senadores Nelsinho Trad (PSD-MS), que contraiu a doença ao viajar com a comitiva do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, e Prisco Bezerra (PDT-CE).

O senador lagartense Rogério Carvalho (PT) também participa da sessão virtual – que ainda se encontra em andamento, mas já existe maioria para a sua aprovação. O decreto de calamidade pública não precisa de sanção presidencial e passa a valer imediatamente. A votação do decreto era a única pauta do Senado para esta sexta-feira.

Já foram confirmados 654 casos em todo país. IMG: Reprodução

O decreto criará uma comissão mista, formada por seis deputados e seis senadores, para acompanhar os gastos que o governo empenhará durante o período de calamidade pública, que deve durar até o último dia do ano. A medida permite que se gaste mais do que o previsto e desobedeça as metas fiscais estipuladas anteriormente.

Suspeita em Lagarto

O Instituto Parreiras Horta, do qual pertence o Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (LACEN), descartou na noite da última quinta-feira (19) o único caso suspeito do covid-19 na cidade. O teste foi realizado numa mulher de 32 anos que havia chegado de Orlando (EUA) na segunda-feira (9) e apresentou sintomas de coronavírus ao longo de toda semana, conforme informações do O Papa-Jaca.

Ao se sentir febril, com tosse e dor de cabeça, a paciente teria entrado em contato com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) que encaminhou uma equipe de Vigilância Epidemiológica. Os sintomas a colocaram como o único caso suspeito em Lagarto, cuja transmissão teria sido importada. Com a negativa, agora, seu exame será submetido à contraprova. Outros oito lagartenses que fizeram viagens internacionais seguem sob monitoramento.