Em um processo próprio de vestibular, o campus Lagarto da Universidade Federal de Sergipe (UFS) experimentou este ano os resultados da sua mais nova política de seleção: priorizar estudantes da rede pública regional. Além de 10% de acréscimo na nota dos sergipanos interessados no ingresso, há também 5% em relação àqueles que tenham cursado o ensino médio regular em escola pública.

“Tive que sair da minha terra pra estudar, meus irmãos não precisarão.”

O resultado do concurso – que custou R$10 de cada estudante e levou em consideração apenas as notas do ENEM 2019, ponderadas pelos pesos de cada curso – foi consultado pelo O Papa-Jaca. A maior nota foi na ampla concorrência do curso de Medicina – 905 pontos, de um estudante sergipano. É importante ressaltar que a alta das notas amplia a concorrência, justamente, porque um aluno, com direito aos 15% e que venha a tirar 750 na nota ponderada, vê sua pontuação se elevar para 862,5 e, assim, não precisa necessariamente se submeter às cotas para garantir a vaga.

Outro fator analisado por nossa equipe foi o número de possíveis – já que apenas a matrícula garante a entrada – ingressantes de outros estados. Neste ano, das 450 vagas ofertadas, apenas oito das aprovações foram não-sergipanas; isto é, 1,8% do total. Com exceção da Bahia – com quatro aprovados -, Amapá, Ceará, Santa Catarina e Minas Gerais tiveram um cada.

“O processo de interiorização impacta de forma positiva todos os setores do município de Lagarto, fortalecendo nosso estado e nosso povo. Sou filha de Lagarto e fico muito feliz em saber que hoje meus conterrâneos possuem um presente como a UFS. Eu tive que sair da minha terra pra estudar, meus irmãos não precisarão”, escreveu ao O Papa-Jaca a diretora do campus, Adriana Carvalho.

Confira a classificação completa aqui.