Com o placar de 19 contra 2, além de 3 ausências, a reforma da Previdência Estadual foi aprovada nesta quinta-feira (26). Entre as medidas está o aumento da contribuição para 14%, inclusive aos aposentados. Há também a previsão de uma idade mínima geral, de 65, para homens, e de 60, para mulheres. Há outros pisos específicos para profissões como professores e agentes de segurança.

A preservação da estrutura do texto de Paulo Guedes à nova previdência em Sergipe, irritou sindicatos e setores do Partido dos Trabalhadores no estado. Um dos dois petistas na ALESE, Iran Barbosa votou contra a PEC de Belivaldo Chagas (PSD) em seus dois turnos. Por outro lado, Ibrain Monteiro (PSC) e Goretti Reis (PSD) foram favoráveis nas duas vezes possíveis.

Monteiro, filho do ex-prefeito Valmir (PSC), possível herdeiro do agrupamento que um dia esteve aliado de Gustinho Ribeiro (SD), foi crítico da posição assumida pelo deputado federal na votação da reforma no Congresso. Ter votado a favor o fez adquirir a desconfiança de parte do eleitorado mais ligado às pautas trabalhistas. Já Reis, além de ser aliada de Belivaldo, é tia do deputado federal Fábio (MDB) – que também votou a favor do texto de Guedes. Goretti teve sua aposentadoria proporcional concedida na véspera da votação em primeiro turno da PEC; O Papa-Jaca conseguiu o documento com exclusividade.