Em 18 de dezembro, no apagar das luzes administrativas do ano e na véspera da votação, em primeiro turno, da reforma previdenciária estadual, o Conselho Deliberativo do Instituto de Previdência do Legislativo do Estado de Sergipe (IPLESE) se reuniu para definir o destino de 11 pedidos de deputados estudais e um ex-deputado. Entre as solicitações de aposentadoria proporcional, estão a de dois lagartenses – a ainda deputada estadual, Goretti Reis (PSD), e, o agora federal, Gustinho Ribeiro (SD).

A aposentadoria proporcional nada mais é do que uma das dezenas de facilidades do sistema legislativo a congressistas. Com ela, é possível averbar períodos anteriores da carreira política ao atual e garantir aposentadorias volumosas. Essa possibilidade deixaria de existir com a reforma, mas, para conquistar o voto de parlamentares, conceder o pedido antes da aprovação do novo texto seria essencial. E foi o que ocorreu.

A decisão do IPLESE, assinada pelo presidente Zeca Ramos Da Silva, foi publicada no Diário Oficial de Sergipe na última segunda-feira (23). Ao todo foram 11 portarias, cada uma para cada um dos pedidos; isto é, as solicitações de Goretti e Gustinho também foram atendidas. O Papa-Jaca ainda não sabe quanto que a medida custaria ao orçamento público a partir de 2020. A votação em segundo turno ocorre nesta quinta-feira (26).