Recém-formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Tiradentes (UNIT), o também técnico em Segurança do Trabalho Riclécio Silveira se descreve um ‘nordestino arretado’ em seu Instagram. Foi lá também que ele decidiu compartilhar com o público de amigos o que ele chama de “proposta de criação de um parque urbano na Barragem Dionísio Machado”. Na publicação, Riclécio marcou a Prefeitura – deixando a sugestão para o empreendimento sonhado há anos, não apenas pela comunidade. O nome seria ‘Parque Luz’.

“O sonho de ver aquele local transformado.”

Se executado, a região contaria com extensa arborização, estátuas de símbolos culturais papa-jacas, espaços lúdicos e esportivos, vestiários, píer com mirante, dois estacionamentos – um circular, para carros de pequeno porte – e outro lateral – para ônibus -, fonte, pista de caminhada, ciclovia, bares, restaurantes e um espaço para o Administrativo, à Guarda Municipal e ao Corpo de Bombeiros. Seriam 175 mil metros quadrados de espaço utilizado.

A idealização foi feita para ser apresentada como um TFG – Trabalho de Final de Graduação – como é conhecido na UNIT o TCC – Trabalho de Conclusão de Curso. A publicação foi feita na manhã desta quinta-feira (12). O Papa-Jaca conversou com Silveira. Ao definir o que o levou desenvolver o trabalho – que despendeu pesquisas in loco, estudo arquitetônico e o que chamou de ‘anseio popular – foram duas palavras: amor e sonho. Segundo ele, “amor pela arquitetura e pela cidade” e “sonho de ver aquele local transformado”.

Durante as visitas, o agora arquiteto colheu diversas informações. Entre elas, um mito popular de que na barragem havia uma ‘grande cobra’. “[O píer] com algumas partes redondas remete à história da barragem (…), como a de que havia uma grande cobra no rio. Mais próximo de onde fica um prédio antigo, tem dois outros píeres, sendo um com uma parte mais alta – chamada de mirante”, detalha.

Histórico

A ideia de uma urbanização da região é antiga e foi prometida durante a campanha do ex-prefeito Lila Fraga (PSDB). A obra especulada era chamada de ‘Orla da Barragem’. O deputado federal Fábio Reis (MDB) apresentou uma emenda e o projeto foi entregue ao Governo do Estado, à época sob Jackson Barreto (MDB) – que teria responsabilidade pelo empreendimento junto à Construtora Tavares Mendonça. A reforma avaliada em R$10 milhões, porém, parou em 2016.

No entanto, em novembro deste ano um novo projeto – mais simples que o de Riclécio – foi anunciado pela prefeita Hilda Ribeiro (SD), ao lado do secretário de Planejamento, Adriel Alcântara, e do arquiteto Eduardo Carlomagno. As obras ainda não começaram.

‘Orla da Barragem’ em 2016. FOTO: Reprodução