Errata: Alessandro Vieira ajudou na desobstrução, mas votou contra o PLN

Na tarde desta quarta-feira (9), o plenário do Congresso Nacional votou e aprovou – por 40 votos à 2 – o projeto de lei nº 18/2019, que remaneja cerca de R$ 3 bilhões do Orçamento da União, que seriam destinados à Seguridade Social e à Educação. Entre as atividades canceladas pelo remanejamento está a de “reestruturação e modernização” do campus Lagarto da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

O texto foi enviado em agosto pelo Ministério da Economia e repercutiu no estado através de reportagem exclusiva do O Papa-Jaca. Com a aprovação da matéria, R$3,4 milhões deixarão de ser enviados à UFS este ano – podendo prejudicar, inclusive, a economia da cidade.

Além do campus da Lagarto da universidade, o Instituto Federal de Sergipe (IFS) também foi afetado, mas com um corte geral de R$2,2 milhões. Remanejamento teria a intenção de pagar emendas a parlamentares favoráveis à reforma da Previdência.

Um acordo desobstruiu a tramitação do texto no Congresso. FOTO: Reprodução

A votação encerrou um grande debate iniciado na terça-feira (8). A sessão sofreu obstrução de alguns partidos após a Câmara ter aprovado o PLN. Já a votação de hoje aconteceu após o grupo de senadores denominado como “Muda Senado” fechar um acordo com a base do governo, retirando a obstrução mediante o compromisso de o governo recompor o orçamento da educação. O acordo foi anunciado pelo senador sergipano Alessandro Vieira (Cidadania) e confirmado pelo líder do governo, senador Fernando Bezerra (MDB-PE).

Tanto a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) quanto Alessandro confirmaram que, nos termos do acordo, estaria o compromisso de o governo mais tarde enviar um projeto ao Senado repondo o que foi retirado da educação. Vieira estima que isso aconteça até o final de outubro. No Plenário, Eliziane disse que a universidade do seu estado, a Federal do Maranhão, é uma das que perdem com o atual remanejamento de verbas.