Reportagem III

Após a primeira série de reportagens do O Papa-Jaca sobre o escândalo envolvendo a suspeita de utilização de candidaturas laranjas eleições do ano passado, um inquérito policial foi aberto pela Procuradoria Eleitoral em Sergipe. Um dos alvos da investigação é marqueteiro de campanha da lagartense Marleide Cristina (MDB), o jornalista Cícero Mendes.

“O próprio presidente do MDB não soube explicar a escolha do nome de Marleide. (…) Todo valor da cota feminina foi para ela.”

procuradora em entrevista ao O Papa-Jaca.

Mendes foi destaque em matéria do site publicada ao final de fevereiro. Quase a metade dos recursos recebidos por Cristina na campanha de 2018 foram pagos ao marqueteiro e a empresas ligadas a ele. Apesar do volume, a única justificativa dada ao TSE foi a de “serviços de marketing”.

Ligado à família Reis, marqueteiro participa da campanha de candidata aliada do deputado Fábio em Riachão. FOTO: Reprodução

Em entrevista inédita da procuradora responsável, Dr.ª Eunice Dantas, ao O Papa-Jaca, ela chama de “ínfima e pífia” o material virtual da campanha da candidata. Ainda conforme apurado pela nossa equipe, parte do valor pago a Cícero foi justamente na semana da eleição.

Diante dos fatos, o também jornalista explicou as suspeitas ao MPF, através de uma nota técnica. Perguntada se ele chegou a ser ouvido, Eunice respondeu que não e, logo em seguida, que “provavelmente será ouvido na própria Polícia Federal”.

O Bolo é Grande

Após a publicação da primeira de nossas reportagens, Marleide divulgou uma nota que foi ao ar através do site O Bolo é Grande. Também em fevereiro, O Papa-Jaca constatou através da ferramenta Whois que o endereço eletrônico em questão pertencia a Cícero – não apenas o registro do titular está em seu nome, mas também os contatos administrativo, técnico e de cobrança.

Segundo Whois, site está registrado em nome de marqueteiro. PRINT: O Papa-Jaca

Agora, em meio ao pleito eleitoral suplementar em Riachão – que acontece durante agosto deste ano, após decisão definitiva pelo afastamento da então prefeita Gerana Costa (PTdoB) – o marqueteiro e seu site protagonizaram uma nova polêmica.

Mendes, que atua nas eleições da candidata do PSC ao cargo, Manoela Costa, divulgou no O Bolo é Grande que a rival, Simone Andrade (PCdoB), teria cometido suposto crime eleitoral. Em outras palavras, teria ficado evidente o uso de uma plataforma jornalística própria para fragilizar campanha adversária.