Foto de O Papa-Jaca

Alvo de mudanças propostas pelo Governo Federal na reforma da Previdência – já aprovada no primeiro turno da Câmara dos Deputados como a PEC 6/2019 –, o Benefício de Prestação Continuada (BPC) injeta mais de R$40 milhões ao ano em Lagarto, conforme aponta o Portal da Transparência em sua mais nova sessão dados.

De acordo com o banco de dados, o benefício equivale a R$3,57 milhões por mês em contas papa-jacas. Isto é, cerca de R$1 milhão a mais ao mês que o Bolsa Família – responsável por aplicar R$2,55 milhões mensalmente na economia lagartense.

Tabela de dados abertos do Portal da Transparência. PRINT: O Papa-Jaca

Atualmente, para requerer o BPC é preciso ter, no mínimo, 65 anos. A proposta do governo é reduzir a idade para 60 anos e, a partir disso, criar uma tabela progressiva. Desta forma, o benefício que, atualmente, é de R$998 – correspondendo a um salário-mínimo, iniciaria com R$400, podendo chegar ao teto somente quando o idoso ou a pessoa com deficiência atingisse os 70.

Ou seja, qualquer mudança – esta ou outra – que venha a reduzir os repasses do benefício, atingirão diretamente as economias municipais, sobretudo do norte-nordeste. No ano, o BPC significa um acumulado de R$46,4 milhões, enquanto o BF – que também tem sua gigantesca importância no aumento do consumo e na redução das desigualdades – em torno de R$30,5 milhões; uma diferença de R$16 milhões.