Após 2018, Lagarto se tornou uma cidade com dois deputados federais e se confirmou reduto de um senador. Respectivamente, são eles: Fábio Reis (MDB), Gustinho Ribeiro (SD) e Rogério Carvalho (PT). Todos estes exercem seus mandatos entre idas e vindas de Brasília à Sergipe e dependem da utilização da chamada cota parlamentar – onde seu uso excessivo é visto como mero privilégio. Em Sergipe, quem lidera o ranking de uso dessa verba é o lagartense Fábio; Gustinho figura na quarta colocação entre os oito deputados.

Mandato do parlamentar é também o 12º mais caro do Brasil. PRINT: O Papa-Jaca

Segundo o site da própria Câmara de Deputados, as cotas parlamentares são despesas com passagens aéreas; telefonia; serviços postais; manutenção de escritórios de apoio à atividade parlamentar; assinatura de publicações; fornecimento de alimentação ao parlamentar; hospedagem; outras despesas com locomoção; combustíveis e lubrificantes; serviços de segurança; contratação de consultorias e trabalhos técnicos; divulgação da atividade parlamentar, exceto nos 120 dias anteriores às eleições; participação do parlamentar em cursos, palestras, seminários, simpósios, congressos ou eventos congêneres; e a complementação do polêmico auxílio-moradia.

“Uso excessivo é visto como mero privilégio.”

O valor máximo mensal da cota depende da unidade da federação que o deputado representa – sendo que, no caso de Sergipe, esse valor custa mensalmente um limite de R$ 40.139,26 por parlamentar, segundo o Ato da Mesa nº 76 de fevereiro de 2016; essa cifre é recebida por fora do salário de R$33,7 mil e demais auxílios que complementam o mesmo. No início do ano passado, a imprensa realizou algumas matérias investigativas semelhantes a esta com o intuito de pôr em cheque políticos e juízes, respectivamente, como Jair Bolsonaro (PSL), hoje presidente, e o então juiz Sérgio Moro, atualmente ministro.

O Papa-Jaca traz com exclusividade os gastos individuais indenizados via cota de todos os deputados federais eleitos no pleito de 2018 no estado de Sergipe, do menos caro ao mais custoso – confira os números mês a mês clicando aqui:

Dados se referem ao período janeiro-maio de 2019

  • Bosco Costa – R$86,6 mil

  • Laercio Oliveira – R$110,2 mil

  • Fábio Henrique – R$116,3 mil

  • Valdevan Noventa – R$127 mil

  • Gustinho Ribeiro – R$137 mil

  • Fábio Mitidieri – 144,9 mil

  • João Daniel – R$186,5 mil

  • Fábio Reis – R$199,9 mil