Na manhã desta terça-feira (23) a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) iniciou o julgamento do habeas corpus contra a prisão preventiva impetrada pela Defesa do prefeito licenciado Valmir Monteiro (PSC). Valmir está preso desde 22 de fevereiro acusado de desviar dinheiro da Prefeitura através do Matadouro Municipal, organização criminosa, utilização de laranjas para lavagem de dinheiro e obstrução à justiça.

O primeiro magistrado a votar foi o juiz Marcel Brito, que entendeu pela manutenção da prisão, no entanto o placar empatou e a desembargadora Ana Lúcia pediu vista – adiando a decisão para a próxima terça-feira, dia 30.

Vereadores concederam licença a Valmir e, com isso, mesmo preso ele pode receber salário. FOTO: Danniel Prata/OPJ

Se deixar a prisão, hoje, Monteiro volta ao cargo, já que a decisão que o afastava fora temporariamente suspensa pela Comarca de Lagarto, aguardando uma resposta do STJ sobre o recurso no STF no processo que o condena por improbidade administrativa ao ter doado terrenos públicos a aliados políticos. Este é um dos tantos processos contra o líder político.

A única forma de impedir o retorno de Valmir é se, concedendo a liberdade, os magistrados entenderem que, ao menos, ele deverá permanecer fora do cargo. Interlocutores afirmam que seu advogado, Evanio Moura, anunciou ser possível que Monteiro renuncie da Prefeitura em troca da liberdade. A medida seria uma forma de passar alguns dias com a família, caso a sentença pela condenação se confirme ao final do processo. Especialistas avaliam que acusações contra o gestor, caso confirmadas, possam emplacar-lhe mais de 12 anos de prisão.